Link
Share

A história de Fernão Capelo Gaivota, Richard Bach, Editorial Nórdica, 152p., 1974. Fotografias de Russell Munson.

fernaocapeloHá muito tempo que era pra eu ter escrito esta crítica sobre este livro. Hoje finalmente ela está disponível. Leia o que escrevi sobre um dos melhores livros que já li na vida.

História da liberdade que cada um de nós procura. História da superação, da busca pela perfeição, representada numa gaivota chamada Fernão Capelo, na tradução de Antonio Ramos Rosa e Madalena Rozález pois, na versão original norte-americana, o título não tem nenhuma referência a este nome. O título original é “Jonathan Livingston Seagull – a story” que, traduzindo, seria “Jonathan Livingston Gaivota – uma história”.  Mas, Fernão Capelo Gaivota, é um personagem a quem o autor empresta todas as buscas que cada um de nós vive a procura.

Em alguns aspectos, o livro lembra muito O Pequeno Príncipe de Exupéry. Em comum com Antoine de Saint Exupéry, Richard Bach tem o amor pela  aviação. Ambos foram pilotos.

gAIVOTAO livro nos é apresentado em três partes. Na primeira, Fernão Capelo tenta se superar e encontrar a perfeição. Na segunda parte, Fernão Capelo já não é mais desse mundo. Uma das frases famosas de Richard Bach é que ele afirma: “Eis um teste para saber se você terminou sua missão na Terra: se você está vivo, não terminou.” Nesta segunda parte, Fernão Capelo vive no paraíso, não tem mais limitações. Mas ao descobrir que continua com limitações e que “o paraíso não é um lugar nem um tempo“, encontra novos desafios, novas aprendizagens, novos objetivos. A perfeição é sua meta. A liberdade é o seu limite. Nessa busca ele encontra outras gaivotas entre elas, Henrique Gaivota, Chiang, Francisco Coutinho Gaivota, João Calvino Gaivota, entre outros. Na terceira parte, Fernão é o instrutor que tenta transmitir aos seus discípulos, o que alcançara ao longo de sua existência.

gaivotasE entre as páginas, algumas sequências de belíssimas fotografias de gaivotas nas mais diversas situações.

richard-bachRichard Bach nasceu em Oak Park, Illinois, Estados Unidos em 23 de junho de 1936. Filho de Roland Robert e Ruth Helen Bach, foi casado duas vezes. Com sua primeira esposa teve seis filhos, dos quais, um deles chamava-se Jonathan, que escreveu um livro sobre sua relação com o pai que nunca conheceu porque ele sempre vivia voando. Richard Bach candidatou-se por três vezes para ser piloto na Marinha norte-americana e todas as vezes foi reprovado. Candidatou-se para ser piloto da Força Aérea e foi aprovado mas, não queria pousar em porta-aviões e terminou por ser piloto reserva da Força Aérea.  Foi piloto de aviação comercial  e instrutor de voo. Sofreu um grave acidente em setembro de 2012, ao tentar pousar um pequeno avião que pilotava na ilha de San Juan, em Washington. Divorciou-se da primeira esposa logo após o nascimento de seu sexto filho e ficou sozinho por longo tempo pois não acreditava na instituição do matrimônio. Conheceu sua segunda esposa, Leslie Parrish nas filmagens do filme Jonathan Livingston Seagull em 1973, baseado nesta obra. Publicou vários livros dentre eles, alguns foram best sellers e fizeram muito sucesso no Brasil quando foram lançados. Cito “Ilusões“, “Longe é um lugar que não existe“, que tem aqui no blog uma crítica sobre ele (para ler, clique no link),  “A ponte para o sempre” e seu último livro, “Manual do Messias – Um guia para a alma avançada” lançado em 2004. Quase todos os seus livros estão relacionados com o voo.

É, sem dúvida, um dos mais belos livros que li. Não há comparação. Ele está no topo. Mas não é o melhor livro. Porque não há um melhor livro! Apenas posso colocá-lo num patamar – o dos melhores livros que já li. Junto com O Pequeno Príncipe, de Exupéry, com Dibs, em busca de si mesmo, de Virgínia Axline; O diário de Anne Frank, dela própria; Meu pé de laranja lima de José Mauro Vasconcelos, Arquitetura dos Sentidos de Bartyra Soares; Versilêncios, de Gerusa Leal. Mereceu cinco estrelinhas.

 

The following two tabs change content below.
Alberto Valença nasceu em Olinda - PE. Sempre gostou muito de escrever, sendo a leitura um de seus divertimentos preferidos. Com quatro graduações concluídas, o autor enveredou por várias áreas do conhecimento. Em 1973 concluiu Licencitaura em Física pela UFPE, em 1980 concluiu Bacharelado em Psicologia e Formação de Psicólogo com especialização na área de Psicologia Escolar. em 1999 bacharelou-se em Direito e, no mesmo ano, foi aprovado na OAB-PE exercendo a profissão por dez anos. Publicou em 2014 um poema numa antologia e, agora, publica 15 poemas em outra antologia. Desde a infância gostava também de cinema e, em 2006, criou o blog Verdades de um Ser no qual divulga seus textos e comenta sobre literatura e cinema. Posteriormente, criou também o blog O seu companheiro de viagem, com o qual compartilha suas experiências de viagem oferecendo sempre dicas valiosas para quem quer viajar.
Share

6 ideias sobre “Fernão Capelo Gaivota [Livro]

  1. Cinara Vidigal

    Ah. ..Eu estive aqui e li o que você postou sobre o livro. ..Maravilhoso!
    É uma pena eu estar pelo celular e a Net ser tão lenta.Gostaria de explorar o blog, deve ter muitos outros fascínios por aqui.
    “Verdades de um ser” gostei muito do título.
    E obrigada mais uma vez por me trazer à tona boas memória, não apenas literária, mas principalmente emocional da minha infância.

    Responder
  2. Alberto Valença Autor do post

    Você nem pode imaginar como me deixa feliz em saber isso que você relata. Li este livro já na fase adulta mas, ele lembra, como falei no post, um outro livro que li na infência e que tambem me tras lindas recordações de minha mãe. É O Pequeno Príncipe. Os dois, são os melhores livros que já li na vida. Volte sempre! E visite o blog depois conectada através de um PC. Explore outras postagens. Seja sempre bem=vinda!

    Responder
  3. Hélia Andrade

    Fiquei interessada pela leitura. Gostei da frase que você citou, se você está vivo sua missão na terra ainda não terminou rsrs. Verdade pura 🙂
    Você fala que lembrou um pouco de “O pequeno príncipe”, este é um dos livros de que gosto muito também, apesar de simples (leio com meu filho de 4 anos), tem um belo significado.
    Muito boa sua resenha!

    Responder
  4. Alberto Valença Autor do post

    Cara Hélia, agradeço por sua participação e comentários, enriquecendo assim a minha postagem. Seja sempre bem-vinda. Volte outras vezes e, para receber as novidades, inscreva seu email no blog. Sobre O Pequeno Príncipe, discordo de você quanto a ele ser um livro simples. Ele aparenta isso mas, na verdade, é um profundo estudo filosófico da vida. Nas visitas do principezinho aos planetas, por exemplo, o autor mostra aspectos relevantes de pessoas que encontramos todos os dias em nosso cotidiano.

    Responder
  5. Alberto Valença Autor do post

    É isso mesmo Denise. As verdades que o autor tenta transmitir são muito atuais e profundas. Agradeço por sua visita e comentários. Volte sempre!

    Responder

Deixe uma resposta para Hélia Andrade Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *