Três histórias de amor – Alberto D’Aversa – Filme

Share

Direção – Alberto D’Aversa

TresEstoriasdeAmor

Trata-se de um filme brasileiro que vi no Cinema São Luiz em março de 1967. Na época eu fazia anotações dos filmes a que asssitia no cinema e, dentre as coisas que anotava, uma delas era uma cotação moral e, neste caso a classificação foi condenado.  O filme é um drama psicológico romântico com cenas de comicidade em preto-e-branco e tela pequena. Ele consta, como o próprio título denuncia, de 3 histórias. A primeira, intitulada “A carreta“, conta com a participação brilhante de Dina Sfat, Ricardo de Luca e Silvio Rocha. A segunda é “A madrugada” com as participações de Gaby Go, José Roberto Osasco e Renato Rortier e a última chamada “A construção” conta com Nelson Xavier e Joanna Fomm. A seguir vou transcrever o que escrevi na época.

A carreta:

Um homem é perseguido pelo patrão, porque a patroa lhe dera dinheiro e ele transara com ela. Encontra um velho numa carreta, lhe pede carona para a cidade e o velho manda ele subir. O carro atola e ele ajuda a desatolá-lo, mas descobre tambem a neta do velho que estava dentro da carroça. Ele dá uma cantada nela e, quando começa a chover eles param numa cabana para abrigar-se. A moça não resiste e entrega-se a ele durante a noite, enquanto seu avô dormia. No dia seguinte, ao partirem, o moço pergunta ao velho para onde ele levava a moça. Este lhe responde: “Vou levá-la para o hospital. A pobre está condenada, está com câncer“. O moço indignado e sofrendo, pula da carroça. Não tinha sorte mesmo.

A madrugada:

Das três histórias esta é a melhor, com uma boa análise psicológica dos personagens. O pai de Vilma (Gaby Go) diz que vai fazer uma viagem e vai namorar com outra. A mãe diz que vai visitar a irmã e convida o amante para sua casa. Vilma, sem saber nada disto, vai, inocentemente, brincar com seus amigos e, um deles, seu primo, a chama para dormir com ele mas, ela recusa. Ao chegar em casa, encontra a mãe com o amante na cama e, com nojo de sua família, vai entregar-se ao primo.

A contrução:

Esta é a pior das três histórias e, sem nenhum vestígio de arte. Aproxima-se muito da chanchada, o que dá ao filme, pontos negativos. Prostitutas são perseguidas pela polícia e, uma delas, que consegue escapar da blitz, entra numa construção. Sebastião, o vigia, quando a polícia chega, diz que ela estava lá em cima mas, o engenheiro  proibira a subida, devido à segurança da escada. Depois de uma cantada muito bem dada, eles vão para o Ceará para viverem felizes na terra natal.

Dependendo da interpretação que o espectador der às histórias, o filme pode se tornar mais, ou menos agradável. Eu o interpretei como um filme cômico, outros o interpretaram como dramático, o que dá ao filme um aspecto trágico e nojento, principalmente a primeira história. O filme tem cenas muito excitantes, razão pela qual a cotação moral foi condenado.

Com exceção da terceira história, que alem de chegar bem perto da chanchada tem interpretações péssimas, as outras tem algum vestígio de arte, principalmente a segunda. No compto geral, é um bom filme e mereceu três estrelinhas.

Obs. Só encontrei uma foto deste filme.

The following two tabs change content below.
Alberto Valença nasceu em Olinda - PE. Sempre gostou muito de escrever, sendo a leitura um de seus divertimentos preferidos. Com quatro graduações concluídas, o autor enveredou por várias áreas do conhecimento. Em 1973 concluiu Licencitaura em Física pela UFPE, em 1980 concluiu Bacharelado em Psicologia e Formação de Psicólogo com especialização na área de Psicologia Escolar. em 1999 bacharelou-se em Direito e, no mesmo ano, foi aprovado na OAB-PE exercendo a profissão por dez anos. Publicou em 2014 um poema numa antologia e, agora, publica 15 poemas em outra antologia. Desde a infância gostava também de cinema e, em 2006, criou o blog Verdades de um Ser no qual divulga seus textos e comenta sobre literatura e cinema. Posteriormente, criou também o blog O seu companheiro de viagem, com o qual compartilha suas experiências de viagem oferecendo sempre dicas valiosas para quem quer viajar.
Share

Uma ideia sobre “Três histórias de amor – Alberto D’Aversa – Filme

  1. Deniae

    Eh realmente impressionante, todos os 3 filmes acho que deviam ser meio fortes para a epoca. No sentido moral, como vc disse. Mas estou impressionada com a organizacao – vc tem as anotacoes de 1967! Os 3 filmes mais parecem contos de Nelson Rodrigues. Hoje em dia, qualquer novela da Globo, menos as de epoca – e olhe la, tem que ser do seculo XIX – contem estes enredos, inclusive com cenas bem mais fortes ate. Mas em 1967 os filmes devem ter sido vistos como, talvez, escandalosos? Nao sei, mas imagino!
    DenisesPlanet.com

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desvende a charada para validar o comentário *