A cabana – William P. Young [Livro]

Share

William P. Young

O autor William P. Young, é um escritor canadense que,  juntamente com Wayne Jacobsen e Brad Cummings, escreve A cabana que, tornou-se um best seller em pouco tempo.

A cabana

A cabana

A cabana é um livro de apenas 232 páginas que se desdobram em 18 capítulos, um prefácio, um posfácio e um capítulo de agradecimentos. A narrativa é na terceira pessoa e conta uma história que, como o próprio autor afirma, pode parecer inverossímil, mas, totalmente possível. A história é contada por Willie, um amigo de Mack, personagem central da narrativa. Eles se conhecem há pouco mais de 20 anos. Mack é o apelido para os íntimos – sua esposa, Nan, e os amigos mais chegados.

Autor – William P. Young
Com colaboração de Wayne Jacobsen e Brad Cummings;

Tradução – Alves Calado
Editora – Sextante
Local de lançamento – Rio de Janeiro
Ano de lançamento – 2008

A cabana é um livro de apenas 232 páginas que se desdobram em 18 capítulos, um prefácio, um posfácio e um capítulo de agradecimentos. A narrativa é na terceira pessoa e conta uma história que, como o próprio autor afirma, pode parecer inverossímil, mas, totalmente possível. A história é contada por Willie, um amigo de Mack, personagem central da narrativa. Eles se conhecem há pouco mais de 20 anos. Mack é o apelido para os íntimos – sua esposa, Nan, e os amigos mais chegados.

Mack, passa um final de semana com Deus. Isso mesmo. Em uma cabana no meio do nada. E esta é a história de como tudo aconteceu. Após perder uma filha, que desaparece misteriosamente num acampamento onde estava com Mack e seus outros dois irmãos, Kate e Josh. Sete ou oito anos depois, Mack recebe um bilhete assinado Papai, que era como Nan chamava Deus. A princípio ela imagina tratar-se de uma brincadeira de mal gosto mas, depois termina acreditando que aquele pode ter sido mesmo um bilhete de Deus lhe convidando para se encontrarem na Cabana onde tudo aconteceu.

Sem dizer nada à esposa para que ela não fique preocupada, ele pede emprestado o carro a um amigo e resolve ir se encontrar com aquele que lhe mandou o bilhete. Até então, não sabia se seria uma brincadeira, o assassino ou mesmo, o próprio Deus.

Personagens do livro

Mackenzie Allen Phillips (Mack) – Personagem central da trama. É um pai de família norte-americano, com 55 anos de idade, dedicado, amoroso, muito rígido, de família irlandesa que matou o pai com veneno de rato, após levar uma surra inesquecível por ter compartilhado com o pastor de sua igreja que seu pai batia na sua mãe quando se embriagava. Mack tem cinco filhos, três meninos e duas meninas. Os dois filhos mais velhos, John e Tyler, já não moram com os pais. O primeiro é casado e o outro faz mestrado em uma universidade norte-americana. Estes dois não fazem parte da história.

Nan, esposa de Mack, é enfermeira de pacientes terminais com câncer. Tinha intenção de ser médica mas, a família impediu a realização deste sonho. O casamento, as crianças, as responsabilidades, terminaram afastando este sonho de sua vida.

Willie é o narrador da história. Amigo  de Mack a quem ele contou a surpreendente história que com ele aconteceu e o amigo tenta transcrever esses fatos para o livro. Não se sabe, na verdade, se esta criação é ou não uma ficção. Isso fica para cada leitor tirar sua própria conclusão.

Katherine (Kate) é a filha mais velha. Fica muito traumatizada com o desaparecimento da irmã e passa a ter um comportamento arredio e alheio.

Josh é o mais novo dos rapazes.

Melissa (Missy) é a caçula.

Elousia (Deus) é uma negra enorme que se encontra com Mack na cabana e com ele e os outros dois membros da Santíssima Trindade, passam um final de semana incrível. No livro ela é apresentada como uma governanta e cozinheira. É interessantíssima a figura de Deus que o autor nos faz visualizar e compreender além de todos os preconceitos pois, além de mulher, ela é uma negra. Achei simplesmente genial essa imagem de Deus que Young nos empresta. E o mais surpreendente e incomum é que ela é chamada de Papai. Não de Mamãe, apesar de mulher.

Jesus é o próprio Deus em forma humana que há 2016 anos chegou na Terra, em Jerusalém para revolucionar o mundo. Também é conhecido pelos nomes Yeshua, Joshua ou Jessé. No livro ele é apresentado como um homem de pouco mais de trinta anos, parecendo ser oriundo do Oriente Médio e se vestia como um operário, trazendo na cintura um cinto com ferramentas. Muito amoroso e logo nos primeiros instantes, Mack empatiza com ele.

Sarayu – é a mais surpreendente e maravilhosa personagem do livro. Uma chinesa que tinha uma leveza inigualável, era o próprio Espírito Santo. Guardiã dos jardins dentre outras coisas.

Ao final do capítulo 5 Mack, reunido com os três da Santíssima Trindade na cabana pergunta incrédulo aos três:  ” – Então, qual de vocês é Deus?

– Eu – responderam os três em uníssono. Mack olhou para um e para o outro e, mesmo sem entender nada, de algum modo acreditou.

Minhas impressões e cotação

No Skoob, onde em geral deixo registradas minhas impressões ao longo da leitura, escrevi ao final da leitura da página 47, isto é, na metade do capítulo 4: “Pelo que li no prefácio o livro parece ter muitas fantasias de crença religiosa. Por enquanto ainda não tomei gosto na leitura embora o livro seja bem escrito. É uma boa história.” E dei três estrelinhas para cotação parcial.

Ao final da página 111, isto é, na metade do capítulo 8, a cotação ainda continuava em 3 estrelinhas e assim escrevi exprimindo minhas impressões sobre esta leitura: “Apesar de falar muito de Jesus como Deus, tem uma certa beleza e apresenta algumas idéias que lhe fazem pensar, refletir sobre a Divindade e trazem muitas coisas novas, isto é, modos diferentes que nunca tinha antes me passado pela cabeça. É um bom livro e, para quem é católico, ou mesmo para quem é cristão, certamente, trará grandes descobertas.”

Explicação adicional – Quando escrevi “Apesar de falar muito de Jesus como Deus” o que quis dizer  foi que não concordo com a afirmativa de Jesus ser Deus. Para mim, Jesus é um simples homem. Incomum, é verdade mas, não Deus. E não gosto quando leio textos que transformam este homem em Deus.

Ao concluir a leitura da página 165, quase ao final do capítulo 12,  assim me expressei, ainda atribuindo a cotação de três estrelinhas: “Trata-se de um livro meio fantasioso e em tom meio que de fábula mas, é um bom livro.”

Finalizando, ao concluir a leitura, assim me expressei lá no Skoob: “É um livro surpreendente. Apesar do modo um tanto piegas e fantasioso de escrever, o autor realmente consegue transmitir uma mensagem diferente. E embora “cheire” muito a um livro religioso, trás um conteúdo que nos faz refletir sobre tudo em nossas vidas. Recomendo.”

E atribui a cotação de quatro estrelinhas.

Uma coisa que merece destaque no livro é a formatação que o autor resolveu emprestar a este volume. Ao iniciar cada capítulo, logo abaixo do título há uma citação de algum autor famoso. Destas, destaco a que ele escolheu para o capítulo 4 intitulado “A grande tristeza“. Ele escolhe uma frase de Gibran. E o mais emocionante é que ela se adequa perfeitamente ao tema deste capítulo. “A tristeza é um muro entre dois jardins.” (Khalil Gibran) Que bela citação!

Merece também destaque a citação do capítulo 2 intitulado “A escuridão se aproxima“. É uma frase de Tournier. “Nada nos deixa tão solitários quanto nossos segredos.” (Paul Tournier) Já viu uma verdade maior?

O autor

William P. Young é um escritor canadense que tornou-se conhecido após sua obra A cabana, que depois foi transformada em filme que será lançado aqui no Brasil em abril deste ano. Seus pais eram missionários e ele passou parte de sua infância em Papua, Nova Guiné. Após cinco anos do lançamento de sua primeira obra publicou A travessia e, em 2015 publicou Eve, seu livro mais recente. Nasceu em maio de 1955 e graduou-se em Religião no Oregon, Estados Unidos na Warner Pacific College. Um ano após sua graduação conheceu e casou-se com Kim Warren com quem ainda hoje se mantem casado juntamente com seus seis filhos, a quem ele dedica sua primeira obra.

The following two tabs change content below.
Alberto Valença nasceu em Olinda - PE. Sempre gostou muito de escrever, sendo a leitura um de seus divertimentos preferidos. Com quatro graduações concluídas, o autor enveredou por várias áreas do conhecimento. Em 1973 concluiu Licencitaura em Física pela UFPE, em 1980 concluiu Bacharelado em Psicologia e Formação de Psicólogo com especialização na área de Psicologia Escolar. em 1999 bacharelou-se em Direito e, no mesmo ano, foi aprovado na OAB-PE exercendo a profissão por dez anos. Publicou em 2014 um poema numa antologia e, agora, publica 15 poemas em outra antologia. Desde a infância gostava também de cinema e, em 2006, criou o blog Verdades de um Ser no qual divulga seus textos e comenta sobre literatura e cinema. Posteriormente, criou também o blog O seu companheiro de viagem, com o qual compartilha suas experiências de viagem oferecendo sempre dicas valiosas para quem quer viajar.
Share

2 ideias sobre “A cabana – William P. Young [Livro]

  1. Denise

    Entendo agora o autor ter escolhido 5 filhos para Mack, pois ele mesmo tem 6, e tambem o assunto, mais pendendo para o lado religioso, pois seus pais eram missionarios e ele proprio se graduou em religiao. Achei o enredo bom, nao li o livro, falo puramente pela resenha aqui. Gostaria de saber se ele reecontrou a filha perdida ou o que aprendeu no seu encontro com Deus, ou as tres figuras na cabana. Uma excelente resenha, como sempre! Um abraco!
    DenisesPlanet.com

    1. Alberto Valença Autor do post

      Muito grato pelo amável comentário Denise. Se fosse responder sua pergunta tiraria todo o suspense e mistério do livro. Leia pra saber a resposta. Um abraço e um ótimo final de semana.

Os comentários estão fechados.