Share

Diferença entre homófonas e parônimas

Outro dia fui levado a visitar uma página de uma pessoa e lá deparei-me com um pequeno deslize na nossa gramática. Esta pessoa escreveu uma coisa querendo dizer outra. Chamou de homófonas palavras que na verdade são parânimas. Então deixei lá um comentário que a pessoa não publicou, infelizmente. Provavelmente, ela conhece nossa gramática e não escreveria tamanha asneira mas, infelizmente, apesar de alertá-la sobre o fato, ela nem corrigiu e, sequer publicou meu comentário.

comprim-ou-cumprim

É muito triste quando alguém não admite que pode falhar. Não vejo vergonha nenhuma nisso. Todos nós somos humanos e estamos sujeitos aos erros, logo, não há vergonha alguma se os cometemos. Sentiria vergonha, se acaso alguém me apontasse um erro meu, e eu continuasse insistindo nele.

Bem, mas vamos ao que interessa.
Homófonas, são palavras de mesmo som mas com escrita e significados diferentes. Homo <=> igual e fonos <=> som.

Parônimas, são palavras com som e pronúncia parecidos porem com significados diferentes.
.
Existem ainda as homônimas, que são palavras de som e escritas
idênticas com significados diferentes.

Vamos agora aos exemplos.
Homófonas – São homófonas as palavras acender (ligar a luz, fazer arder) e ascender (subir) ou senso (qualidade de sensato) e censo (contagem de habitantes) ou ainda seção (divisão) e sessão (reunião) entre outros.

homonimos_paronimos

Parônimas – são parônimas as palavras eminente (que se destaca) e iminente (prestes a acontecer).  Também são parônimas as palavras amoral (sem moral) e imoral (contrário à moral) e ainda comprimento (extensão) e cumprimento (saudação);

Homônimas – são homônimas as palavras banco (de praça) e banco (instituição financeira) ou manga (de candeeiro) e manga (fruta) entre outras.

Algumas palavras homófonas costumam causar grande confusão. É o caso por exemplo de mau e mal. Mau significa ruim, é o oposto de bom, e mal significa incorreto, insatisfatório, sem saúde e é o oposto de bem. Bem me quer, mal me quer. O bom ladrão e o mau ladrão.

Outro exemplo de parônimas que causam também confusão é o caso de emergir e imergir que lá nessa página mencionada, a pessoa afirmou serem homófonas. Inclusive ela oferece uma regrinha que não tem nada de correta. A regra engraçada que faz um trocadilho com as palavras é a seguinte:
EMERGIR = Sair da água; (começa com E)
IMERGIR = entrar na água, afundar. (começa com I)
Com o E temos ir para fora (que é a letra com que começa emergir)
Com o I temos entrar (que é a letra com que começa imergir)
Entrar começa com E e diz respeito a uma coisa que começa com I (imergir) e “Ir pra fora” começa com I e diz respeito a uma coisa que começa com E (emergir).

Uma boa dica é fazer o curso do site Cursos 24 horas com apenas uma parcela de R$ 35,00. Clique na figura abaixo. Ou clique no link a seguir para conhecer os 10 motivos para estudar no Cursos 24 horas

escrita-redacao-maior
Curso de Escrita e Redação
Share

Questões gramaticais #15 – Regência verbal – ASSISTIR

Share

Uma lição de português para quem não quer passar por ridículo Como você fala? Hoje fui assistir o filme ou fui assistir ao filme? O que você acha que está correto? Vou assistir a uma partida de futebol ou assistir uma partida de futebol? Se você respondeu a primeira alternativa nas duas frases acertou. Infelizmente, […]

Share

Verdades de meu ser [textos autorais]

Share

Neste espaço pretendo publicar textos autorais desenvolvidos em forma de contos, cartas, homenagens, poesias, etc. que ao longo da minha vida os construí ou que venha a elaborá-los a partir de agora. Alberto Valença é como desejo ser conhecido e é como assino meus textos. Você também encontrará Alberto Valença Lima. O primeiro deles, já […]

Share
Share


saoluiz
 A coisa mais presente na minha memória antiga é o Cinema de Arte, constituído por uma sessão que acontecia aos sábados pela manhã no Cinema São Luiz, o mais luxuoso e requintado cinema daqui do Recife – PE, onde moro.
Como sempre fui alucinado por cinema, o Cinema de Arte era figura obrigatória no meu dia a dia. Acontece que eu estudava no Colégio Militar e de lá não podia sair sem estar fardado. Também não podia entrar no cinema fardado então, o que fazer? Eu inventava, claro! Não podia obviamente trocar de roupa na praça. Como resolver o impasse? Simples! Eu vestia uma roupa por baixo da farda, saia do colégio e quando chegava na praça tirava a farda sem fazer strip tease. Botava a farda numa sacola e ia todo faceiro pra o cinema.
Lá assisti a filmes maravilhosos, dos quais o mais marcante foi ‘Cidadão Kane’, com Orson Wells e ‘O Processo’, baseado no livro de Kafka. Após a sessão de um desses dois, não tenho mais a lembrança clara de qual deles, a plateia do cinema inteiro, que estava lotado, levantou-se a aplaudiu de pé por mais de dois minutos. Como se estivesse num teatro, ópera ou show. No cinema cabiam de 900 a 1000 pessoas. Foi emocionante!
saoluiz1
O Cinema São Luiz é um cinema muito tradicional aqui de Recife. Existem dois cinemas homônimos no Brasil, um aqui no Recife e outro em Fortaleza. Não sei se o de Fortaleza ainda permanece mas o do Recife, após passar por uma reforma e alto investimento continua com o mesmo brilho. Ele era tão tradicional e de elite que, na década de 50 do século passado, para ter acesso ao cinema, os homens tinham que estar de terno e as mulheres de longo. Até crianças tinham que respeitar essa regra. Recordo-me muito bem quando, ainda criança de uns 5 ou 6 anos, foi preciso comprar um paletó pra mim pra eu poder ir ao cinema. Isto foi pra assistir Sissi.

Nos anos 70 eu creio, o Cinema de Arte foi deslocado para uma sala permanente no Cinema de Arte Coliseu, em Casa Amarela sobre o qual já postei alguma coisa aqui no blog.

saoluiz2
Share